Aumento de monócitos no sangue

Às vezes, um hemograma completo mostra que os monócitos estão elevados. Muitos pacientes fazem uma pergunta justa, o que significa um aumento neste indicador e quão perigoso é.

Monócitos: funções e indicador de taxa

O conteúdo relativo de monócitos é um dos indicadores na análise geral do sangue. Este valor é expresso como uma porcentagem. A taxa de monócitos é de 3-11 por cento (de acordo com outras fontes - até 9-10 por cento). Os monócitos realizam uma função protetora no corpo.

São essas células que devem responder imediatamente à aparência de um agente estrangeiro. Os monócitos perfazem 1-8% de todos os leucócitos no sangue. A formação e maturação dessas células ocorre na medula óssea vermelha. Na corrente sanguínea periférica, os monócitos estão localizados de 36 a 104 horas, depois são transferidos para o tecido, onde se tornam histiócitos.

Monócitos aumentados no sangue: o que fazer?

No entanto, é durante o período de estar na corrente sanguínea que eles estão mais ativos. Ao contrário de outros leucócitos, os monócitos são capazes de capturar em grandes quantidades e destruir grandes elementos estranhos em um ambiente ácido. Para a capacidade de eliminar células mortas em doenças, os monócitos são muitas vezes referidos como "zeladores". Eles são encontrados na medula óssea, no baço, no fígado e nos gânglios linfáticos.

Uma vez no tecido, os monócitos começam a se mover como amebas. Sua função mais importante é a luta contra os tumores. Estas células têm um efeito citotóxico sobre os neoplasmas e patógenos da malária. Além disso, os monócitos produzem interferão.

Ao participar do processo patológico, eles removem bactérias do corpo, bem como células mortas. Se o conteúdo de monócitos no sangue diminui, ocorre monopenia. Normalmente, esta condição é observada com anemia, estresse, após o parto, com infecções agudas e exaustão do corpo. Níveis elevados de monócitos no sangue levam à monocitose.

Monócitos aumentados no sangue: causas

  1. O aumento dos monócitos no sangue pode ser causado por várias doenças. Por exemplo, isso ocorre como resultado da ocorrência de infecções fúngicas, virais, rickettsiais e protozoárias, bem como endocardite infecciosa.
  2. Doenças como tuberculose pulmonar, sífilis, tuberculose extrapulmonar, colite ulcerativa, enterite e sarcoidose também podem causar um aumento no nível de monócitos. O aumento do número destas células pode ser causado por várias formas de leucemia e lesões malignas do sistema linfático (linfoma, linfogranulomatose). Mas basicamente este processo indica a presença de doenças infecciosas.
  3. Se a análise mostrasse alto teor de monócitos no sangue, isso significa que você tem monocitose. Pode ser absoluto e relativo. A monocitose relativa implica um aumento de monócitos em mais de 8%. Além disso, sua quantidade no sangue não excede a norma. A doença pode ser acompanhada por uma diminuição no número de outros leucócitos no sangue. Esta condição aparece na linfocitopenia e na neutropenia.
  4. A mococitose absoluta implica um aumento no número absoluto de células de monócitos. No caso desta forma da doença, é necessário estabelecer a causa do aumento no número de células protetoras. A taxa de monócitos em crianças varia dependendo da idade da criança.

Monócitos aumentados no sangue: o que fazer?

Monocitose em crianças: causas

Um indicador aumentado de monócitos no exame de sangue em crianças não é um caso raro. Como mencionado acima, os monócitos são um tipo de glóbulos brancos. Essas células desempenham uma função de proteção no corpo. Portanto, na maioria dos casos, um aumento nos monócitos indica que a criança desenvolve uma doença infecciosa, ou seja, a análise mostra a resposta do corpo a qualquer inflamação ocorrida.

Além disso, o aumento de monócitos pode ocorrer durante o período de recuperação após sofrer uma doença grave. Após várias cirurgias, um aumento no nível de monócitos no sangue também pode ser observado. Se a criança não estiver doente e as infecções não forem observadas, este indicador pode indicar qualquer doença no sangue.

Na maioria das vezes, a monocitose em crianças é observada com mononucleose, malária, toxoplasmose ou sífilis. Existem também várias doenças sistêmicas que ocorrem com a monocitose. Por exemplo, reumatismo ou lúpus eritematoso sistêmico. Precisamente porque o aumento de monócitos é um sinal do desenvolvimento de uma doença em particular, mais pesquisas são necessárias para determinar o diagnóstico.

Muitas vezes, junto com o número de monócitos, aumenta o número de outras células sangüíneas, responsáveis ​​pelo aparecimento de processos inflamatórios. Separadamente, os monócitos aumentam muito raramente. Sangue para determinar o número de células de proteção se rende no início da manhã com o estômago vazio. Tome sangue para análise de um dedo.

Um aumento no nível de monócitos no sangue é um sintoma alarmante. Pode indicar a presença no corpo do processo inflamatório, outras doenças graves. Se o hemograma completo mostrar um nível anormal de células de proteção, consultas urgentes com um médico e exames e exames adicionais são necessários para identificar a causa das alterações.

Adicionar um comentário